terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Como falsificar notícias - Um exemplo do jornal "Público", da autoria de Vítor Belanciano



Ocultar parte da informação é uma das técnicas utilizadas na manipulação e falsificação de notícias, através dos meios de Comunicação Social. Ao não permitir que o leitor tenha uma perspectiva global das questões que estão em causa, num dado tema, o jornalista restringe o acesso que este tem à informação. Um exemplo quase perfeito desta técnica surge na edição de hoje, dia 13 de Fevereiro de 2018, do jornal “Público”, pela pena de Vítor Belanciano.


Num texto de 4 mil caracteres, o jornalista (?) faz uma curta biografia de Kehinde Wiley, o autor do retrato oficial de Barak Obama. Kehinde Wiley é negro, também, e quem ler o texto de Vítor Belenciano não se apercebe de um pormenor fundamental da polémica que desencadeou a sua escolha para pintar o retrato de Obama – isto porque Vítor Belanciano opta por ignorar aquilo que tem sido destacado pela generalidade dos Media americanos: o pintor tem quadros onde se vê uma mulher negra com uma espada numa das mãos e a cabeça decapitada de uma mulher branca, na outra.
Mas quem ler o texto de Vítor Belanciano apenas se cruza com uma frase inócua onde se refere que “(...) detractores também não lhe faltam, existindo quem considere que a sua arte se foi tornando previsível, uma fórmula esvaziada de conteúdo.”
Sobre as cabeças decapitadas de mulheres brancas, nem uma palavra. Vítor Belanciano é um orgulhoso herdeiro e continuador dos métodos de Stalin, que mandava retocar as fotografias para fazer desaparecer dirigentes caídos em desgraça, nas muitas purgas do regime soviético.

Enviar um comentário