quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

UMA EXPLICAÇÃO PARA A JORNALISTA DA TDM, SANDRA LOBO PIMENTEL, SOBRE A MILITÂNCIA ANTI-SEMITA E ANTI-HOLOCAUSTO DO MICA COSTA-GRANDE



- explicação sem desenhos, porque pode ser que, mesmo assim, resulte, uma vez que ela sabe ler e escrever. Uma explicação também para o António Mil-Homens, Carla Frias, Elói Scava e Gil Araújo, detentores, de pleno direito, de um lugar na lista de simpatizantes do nazismo e negacionistas do Holocausto, pelo apoio que dão a Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande, defensor acérrimo das teorias que ilibavam os nazis de qualquer crime contra a humanidade, nomeadamente o extermínio dos Judeus através da utilização do Ziklon B nas câmaras de gás de Auschwitz, Treblinka, Birkenau e Dachau, entre outros...

O Amílcar Carvalho, aka Mica Costa-Grande, escreveu o seguinte, na sua página do Facebook, sobre a utilização do gás Ziklon B, para matar judeus, nos campos de extermínio nazis (Treblinka, Auschwitz, Dachau, etc, etc) durante a II Guerra Mundial:

"A teoria de foi usado pelo III Reich, como forma de execução, embora oficialmente imposta, é cientificamente controversa (...) Está no entanto amplamente documentado o uso (..) para a desinfecção corporal de mexicanos que atravessavam a fronteira com os EUA."


Portanto, o Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande afirma que o gás Ziklon B NÃO É MORTAL, uma vez que está AMPLAMENTE DOCUMENTADO (escreveu ele!) o seu uso para desinfecção de seres humanos, nos Estados Unidos. Isto significa que a AFIRMAÇÃO de que foram mortos milhões de judeus (e não judeus) nos campos de extermínio nazis, através da UTILIZAÇÃO DO ZIKLON B É FALSA. E isto leva-nos à seguinte (e inevitável) conclusão: para o Amílcar Carvalho, aka Mica Costa-Grande, "A TEORIA (...) OFICIALMENTE IMPOSTA" segundo a qual o Ziklon B foi utilizado para matar judeus nos campos de extermínio nazis É FALSA. O Ziklon B não matou judeus nos campos de extermínio, na opinião de Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande. Portanto, não houve Holocausto? O Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande nunca disse que houve Holocausto. Sempre disse que os judeus dominam o mundo, dominam o sector bancário e a Comunicação Social e que a história de que Aristides de Sousa Mendes salvou milhares de judeus, emitindo-lhes vistos contra as ordens do governo de Lisboa, é "UM MITO".

A Sandra Lobo Pimental, alegadamente jornalista, concorda com tudo isto. Só assim se explica que ela tenha reagido desta forma, perante a simulação de horror do Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande à divulgação da notícia que eu fiz sobre a sua persistente propaganda anti-semita e negacionista do Holocausto, levada a cabo há quase uma década:




A Sandra Lobo Pimentel, que é alegadamente jornalista na TDM, considera que a revelação de uma verdade indesmentível é um atropelo ao carácter de Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande. Tanto ela como o atropelado se esquecem de um pormenor técnico: o facto de o Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande ter apagado os textos que "postou" na sua página do Facebook não os faz desparecer. Os textos que se publicam no Facebook NUNCA DESAPARECEM. Há várias formas de recuperar esses textos. Para além disso, o Facebook tem uma espécie de arquivo especial onde guarda tudo o que publicam os seus utilizadores, por razões de carácter legal. E esses ficheiros estão disponíveis e à ordem de qulquer tribunal.

Para exemplificar, veja-se o caso desse conhecido sociopata que dá pelo nome de Leocardo aka Luís Crespo, autor do blogue "Bairro do Oriente" e, também ele, um notório anti-semita. Antes desse blogue, o indivíduo tinha um outro, chamado "Leocardo em Macau". Ao fim de cerca de um ano, apagou completamente todos os posts e criou o "Bairro do Oriente". Acontece que, na Internet, nada se perde, nada se cria, tudo se copia e auto-copia. E com algumas horas de trabalho, ao computador, eu consegui ir buscar umas dezenas dos tais "posts" apagados. Um exemplo? Este:




O mesmo aconteceu, claro, com alguns "posts" do Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande, sobre os pérfidos judeus. Embora, naturalmente, eu tivesse arquivado já os "posts" nos quais baseei a notícia, fui buscar alguns em que nem sequer tinha reparado, já depois de o Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande ter apagado tudo e fechado, inclusivé, a sua página no Facebook. Exemplo? Este:


Portanto, resumindo: o Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande, até ao passado dia 10 de Dezembro, achava que o gás Ziklon B não podia ter sido usado, em campos de extermínio nazis, para matar milhões de judeus. Chamava a isso uma "TEORIA (...) OFICIALMENTE IMPOSTA" mas "CIENTIFICAMENTE CONTROVERSA." O facto de, durante os julgamentos de Nuremberga, ter havido centenas, talvez milhares de testemunhas que disseram o contrário - que o Ziklon B matava e matava mesmo... - não aqueceu nem arrefeceu Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande. Que, aliás, nunca fundamentou a sua teoria, como bom negacionista do Holocausto e anti-semita.

Depois do dia 10 de Dezembro, encontrou a luz na estrada de Damasco e veio, num texto arrebatado, lamentar o Holocausto. Não teve uma palavra em relação aos textos vergonhosos que escreveu, no passado. Não os assumiu, não os repudiou nem lhes fez qualquer referência. Cobardia, é a mais correcta forma de classificar este tipo de comportamento. Quando à Sandra Lobo Pimentel e à restante escória que saltitou logo, em lambe-"posts" e loas ao Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande, se são capazes de proteger um apoiante do extermínio de um povo, serão bem capazes de dar guarida, no futuro, a um verdadeiro assassino ou a um pedófilo. Basta que seja alguém das suas relações ou socialmente bem colocado, como o Amílcar Carvalho aka Mica Costa-Grande. Ele há gente para tudo.

5 comentários:

  1. Caro Paulo Reis, não é para me meter onde não sou chamado, mas você não acha que esta sua obsessão com os negacionistas do holocausto está a ir um bocadinho longe demais?

    As pessoas deve de ter o direito a negar o holocausto, se assim o desejarem fazer. O que o Paulo Reis está a fazer é exactamente o mesmo que o tarado do Luís Miguel Fernandes Crespo faz, ou seja perseguir fanática e obsessivamente qualquer um que discorde dele nas redes sociais.

    Esse Amílcar Carvalho até pode ser um idiota da pior espécie, não sei, não conheço e nunca troquei uma única palavra com a criatura. Mas seja como for, isso não dá o direito ao Paulo Reis para se meter a perseguir o homem desta forma, só porque ele "nega o holocausto". Francamente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro José João Horta Nobre:

      Não acho que esteja ir longe demais.

      Cumprimentos

      PS - Um assassínio é punido por lei. A autoria moral de um assassínio é punida por lei. Idem, quanto a seis milhões de assassínios.

      Eliminar
    2. Bem, é a opinião do Paulo Reis. Obviamente que não é a minha, pois acho que as pessoas devem de ter o direito a negar factos históricos se assim o desejarem.

      Cumprimentos

      Eliminar
    3. Negar um facto histórico só porque lhes apetecece???? Só porque o desejam? Porque acordaram nesse dia e lhe apetececeu, por exemplo negar que a Revoluçãao de Outubro exisitu? Ou, outro exemplo, chega este fim-de-semana e apetece-me negar que a viagem de Vasco da Gama à Índia existiu? Acho que sim, ó José João Horta Nobre, você tem toda a razão. Mas o Ricardo Araújo Pereira que se cuide. Você começa a ser um sério concorrente...

      Eliminar
    4. «Negar um facto histórico só porque lhes apetecece???? Só porque o desejam? Porque acordaram nesse dia e lhe apetececeu, por exemplo negar que a Revoluçãao de Outubro exisitu? Ou, outro exemplo, chega este fim-de-semana e apetece-me negar que a viagem de Vasco da Gama à Índia existiu?»

      Claro que sim, se alguém quiser negar que a Revolução de Outubro existiu, ou que a viagem de Vasco da Gama à Índia existiu, essa pessoa deve ter esse direito. Da mesma forma que quem quiser negar o holocausto, também deve ter esse direito.

      O que está em causa é a liberdade de opinar e as pessoas devem de ter o direito a opinar como quiserem, independentemente de nós concordarmos ou não com as opinadelas de cada um.

      Eliminar